"Andr Mehmari, Celio Barros e S rgio Reze"

O trio formado por esses excelentes instrumentistas esbanja virtuosidade e curr culo, apesar da relativa pouca idade deles. Todos com passagem de destaque nas vers es instrumentais do Pr mio Visa MPB. Andr e C lio dividiram o primeiro lugar na primeira vers o, em 1998, apoiados pela percuss o de S rgio. Este, por sua vez, alcan ou lugar de destaque na quarta edi o do Visa, tamb m instrumental, no ano passado. Este CD j a segunda experi ncia do trio, todas as duas seguindo o mesmo crit rio: gravaram numa nica sess o, sem temas pr -definidos e baseados em improvisa o livre dos m sicos. O primeiro CD chama-se "Odiss ia", registrado em 1998 e lan ado no in cio de 2000. Logo em seguida, o trio partiu para este segundo disco, gravando ainda em meados de 2000 e lan ando recentemente. O resultado excepcional e sofisticado. Mostra at onde pode ir a explosiva criatividade e sensibilidade desses virtuoses. O CD traz in meros climas e sensa es. Um registro de tr s personalidades musicais distintas, promovendo encontros harmoniosos durante as seis faixas do trabalho. A dura o de cada uma delas varia de tr s minutos e meio a mais de nove minutos. Os temas, que podem at indicar alguma dire o sonora, foram chamados de Cristais, Minas, Cordilheiras, Exc ntrica, Atl ntico e Revela o. Vale a pena conhecer um pouco mais sobre cada um deles. Andr Mehmari pianista, arranjador, compositor e multiinstrumentista. Nasceu em Niter i, Rio de Janeiro. Aos 13 anos, por m, j tocava em casas especializadas em jazz, entre trios e quartetos na cidade de Ribeir o Preto, estado de S o Paulo. Depois, em 1995, come a a estudar piano no departamento de m sica da Escola de Comunica o e Artes da USP. Em 1998 conquistou o Pr mio Visa, que deu-lhe a oportunidade de gravar um CD j na companhia destes seus dois companheiros. J participou de importantes festivais de jazz como arranjador e solista, al m de trilhas sonoras para grupos de dan a e cinema. C lio Barros tamb m carioca, mas da capital. Foi vencedor do Pr mio Visa em 1998. Ainda no mesmo ano, atuou ao lado de David Friedman, Richard Boukas, M rcio Bahia e Wilton Marsalis, entre outros. Em 2001 participou do 9 Encontro de Ensembles de Violoncellos de Beauvais, na Fran a. Recentemente, vem preparando o 2 e o 3 CDs do Interchanges e selecionando material j gravado para uma cole o de CDs do Strange Meetings, com a participa o de S rgio Reze no ltimo. Dirige tamb m o seu est dio e o selo PMC - Produ o de Musica Contempor nea, por onde foi registrado este trabalho. S rgio Reze de Sorocaba, interior de S o Paulo, mas radicado na capital. Estudou com o baterista Z Eduardo Naz rio. Em seguida, foi para os Estados Unidos, onde graduou-se com Men o Honrosa pelo Percussion Institute of Technology, em Los Angeles. Em 1998, depois de atuar ao lado dos vencedores do Pr mio Visa, vers o instrumental, esteve presente como artista e professor convidado do Festival de M sica de Londrina, no Paran , onde tamb m se apresentou e lecionou em 2000 e 2001. Tamb m no ano passado, foi destaque no Pr mio Visa, recebendo muitos elogios da cr tica especializada. Tem tocado com nomes importantes da m sica instrumental como Roberto Sion Big Band, Man Silveira, Michel Friedenson e Natan Marques, entre outros. Talento e curr culo n o faltam para validar este trabalho como um dos mais importantes lan amentos instrumentais do momento. Lan amento PMC. E-mail: mehmaribarrosreze@falandomusica.com ou site: www.falandomusica.com (Por S rgio Foga a)

 

Arun - "Tamboura Guitar"

Que tal escutar uma m sica meditativa oriental com tra os e ritmos da m sica brasileira? Pois o que se encontra aqui neste CD. Arun um m sico popular formado em viol o cl ssico por Tur bio Santos, na Universidade do Rio de Janeiro. Ele usa um tipo de afina o que chama de "m ntrica". Sua m sica pode tamb m ser denominada de new age, mas n o s . Ele disc pulo do mestre contempor neo Osho. O CD abre com Radha Om, onde se nota, j com bastante clareza, essa fus o de Oriente e Ocidente. O viol o preciso, brasileiro, mas a m sica percorre climas variados e, por que n o dizer, m sticos. Segue com Reencontro. Uma faixa cheia de harmonia e varia es r tmicas, onde Arun mostra bem sua t cnica com o viol o. Essa sim com os dois p s no Brasil. A terceira Osho Moon, bem interessante, com base de samba nas cordas e o canto indo em outra dire o. Depois vem Via sacra, com mais belos acordes instrumentais, seguido de Song of Radha. Bossa nova com elementos orientais. nica can o com letra em portugu s do CD. A sexta can o Oshoba eternal holidays. Tamb m outro samba. Na verdade, uma exalta o brasileira para Osho, com a m sica vindo numa evolu o como num desfile de escola de samba. Segue com a m sica mais generosa do disco. Tamboura Guitar possui exatos 27 minutos. Com uma paisagem harm nica meditativa, sua estrutura foi visivelmente inspirada na m sica indiana. Realmente um convite medita o. O trabalho encerra com Expansion, uma performance ao vivo de Arun e outros m sicos, gravada no Buddha Hall, em Puna, na ndia. Ali s, o m sico j se apresentou em outras partes do mundo. De 1984 a 1991 se apresentou v rias vezes em Berlim, na Alemanha. Este CD recebeu o Pr mio Renato Russo da Funda o Cultural do Distrito Federal. Lan amento independente. Site:www.arun.com.br. E-mail: arun@arun.com.br . (Por S rgio Foga a)

 

Augusto Martins - "Augusto Martins Canta Djavan"

Um disco de grandes nomes. Al m de o cantor ter escolhido a obra de um s autor, o trabalho traz as participa es especial ssimas de gente que sabe onde pisa. Augusto Martins canta Djavan e ganha a participa o de Leila Pinheiro, Yamand Costa, Beth Carvalho, Jo o Donato, F tima Guedes, Aquarela Carioca e Seu Jorge, al m do acompanhamento de excelentes instrumentistas. Este seu segundo trabalho. No primeiro, lan ado em 1997, j interpretava duas m sicas de Djavan: Muito obrigado e Samba dobrado. O CD come a com uma vers o mais acelerada de Sina. A segunda n o deixa o ritmo cair. A composi o de pandeiro, voz e baixo el trico ficou muito bem em Asa. O int rprete fez uma bela introdu o declamativa para logo entrar cantando. Ficou legal. Segue com um dos mais recentes sucessos de Djavan. Eu te devoro vem com um saboroso di logo de cordas e cello, apoiado pela percuss o de Edu Szajnbrum. Em Desejo, a quarta can o, come am as participa es. Aqui Leila Pinheiro traz seu belo canto ao lado de Augusto e do piano de Jo o Donato. Vale ainda lembrar que tem a bateria e percuss o de Robertinho Silva, baixo de Ney Concei o, gaita de Israel Meirelles e guitarra de Ricardo Silveira. A a , outro grande sucesso do compositor, ganha uma vers o mais cadenciada. Em Azul, a sexta m sica, Augusto optou por uma levada reggae. Os arranjos s o de Israel Meirelles e Paulo Malaguti "Pauleira", com trombone e trompete, al m de baixo, percuss o e viol es. Me leve ganhou interpreta o luminosa do int rprete. Sua voz dobrada, s vezes. De Djavan e Cacaso, Lambada de serpente tem arranjo delicado, baseado em teclado e viol o de a o. A seguir, mais delicadeza e for a interpretativa em Outono. As grandes participa es ficam por conta de F tima Guedes e o virtuoso viol o de Yamand Costa, que tamb m fez o arranjo para seu instrumento. Tamb m acompanhou todas essas feras o baixo el trico de Ney Concei o. Depois vem Esfinge, seguida de Dou-n o-dou, com a participa o do grupo Aquarela Carioca. Pedro Brasil traz, como em tantas outras can es do CD, a gaita sens vel de Israel Meirelles. A pen ltima faixa puro bom astral. Duas m sicas: Capim, com a participa o de Beth Carvalho e Beiral, com a voz forte de Seu Jorge e tamb m Beth e Augusto interagindo. Samba bom, claro. Flor-de-lis encerra o CD, antes de um remix, ainda trazendo uma levada de samba. O remix, que efetivamente fecha o trabalho, foi feito sobre a m sica Eu te devoro. Vale a pena. Lan amento Dabli . Tel (11) 3079-1843 e 3079-0372. (Por S rgio Foga a) 

 

Carlinhos Antunes - "Paisagem Bailarina"

Carlinhos Antunes , sem d vida, uma personalidade da m sica instrumental brasileira. Mas depois de passar e, s vezes, morar em pa ses como Marrocos, Peru, Nicar gua, Holanda, Cuba, Fran a, Inglaterra, Gr cia, It lia Espanha, Turquia e Cro cia sua m sica n o poderia deixar de ter um molho especial. O CD "Paisagem Bailarinha" uma feliz reuni o dessas especiarias. Est sendo relan ado pela gravadora Lua Discos, acrescido de duas faixas e novo projeto gr fico. Sua primeira edi o saiu em 1996. O CD inicia com um certo mist rio, misturando percuss o de kalimba, tri ngulo, vaso e tablas, sem a gente perceber para onde vai a m sica. Mas logo vem um forr mais acelerado e virtuoso. A m sica Xaxados y perdidos e foi feita em homenagem a Hermeto Pascoal. Essas surpresas r tmicas v o continuar por todo o trabalho. timo! Vale a pena, ainda, citar os m sicos que o acompanham nessa primeira faixa, s para se ter uma id ia do "naipe" do CD. Viol es, percuss o e vozes de Carlinhos Antunes, flautins de Toninho Carrasqueira, acordeon de Toninho Ferragutti, cello de Adriana Holtz e tablas de Ca to Marcondes. A segunda faixa para se sentir em coreto de cidade do interior. Pra a de Minas, s de Carlinhos, como a m sica anterior, tem uma marca o precisa do pandeiro de Sergio Gomes. Segue com uma bonita homenagem que o autor fez para seus pais. Sarau o qu ? Como antigamente, tem uma surpreendente mistura de choro e tango. A bela Per un amante del jazz, a quarta m sica, sabe valorizar cada instrumento. Do saxofone de Nailor Proveta a voz quente de Tutti Ba . Mais homenagem de Carlinhos, agora para os irm os Odair, S rgio e Badi Assad. Danza de los ritmos tem direito a palmas e caj n tocados por Luciano Katib. a can o mais generosa do CD, com quase nove minutos de som. Segue com a can o t tulo do trabalho. Paisagem bailarina delicada e traz, al m de Carlinhos no viol o, Toninho Carrasqueira na flauta (um p ssaro) e Benjamim Taubkin no piano. A s tima can o Mineirice Ib rica, que Carlinhos comp s em parceria com Arnaldo Fran a, em homenagem a Toninho Horta. Todo o universo do compositor mineiro est a , inclusive nos vocais feitos por Carlinhos e Tutti Ba . A seguir vem Saci-Perer , com uma oportuna brejeirice que lhe conv m e o autor tocando um viol o cebol o, al m do apoio singelo de sons de p ssaros da floresta. Quase um v o, a nona, foi dedicada a Tutti Ba , que tamb m participou da faixa cantando. Depois vem Pau de arara, de Arnaldo Fran a, seguida de Salsa malandra, m sica que Carlinhos comp s com Bill Kopper, companheiro dele no Grupo Instrumental Samambaia, quando ambos viviam em Madri. J a letra de Carlinhos em parceria com Maur cio Fonseca. Ritmo e brasilidade de sobra. Baioracha, de Z li, que tamb m toca baixo nessa e em outras faixas do disco, tem uma linguagem mais jazz stica. O CD fecha com uma adapta o de Carlinhos para O bolero de Ravel. Ele pode. O efeito sensacional. Lan amento Lua Discos. Distribui o MCD World Music. Tel. (11) 3257-9744 ou site: www.mcd.com.br (Por S rgio Foga a) 

 

Maur cio Nogueira - "Maur cio Nogueira e a Feira"

Mauricio Nogueira tem hoje 23 anos. Ainda jovem, mas maduro musicalmente, come ou a compor aos 12 anos de idade. de Sorocaba, interior de S o Paulo, e por l toca e participa de festivais. Mas a m sica n o tem fronteiras. Seu virtuosismo vai al m da composi o. Neste CD, lan ado ano passado, ele fez arranjos e produ o, al m de tocar v rios instrumentos como guitarra, viol o, viola, percuss o e teclados. Uma amostra de 12 de suas mais de 100 can es j feitas. O CD abre com uma agrad vel balada. Treze l gicas apresenta tamb m o canto autoral de Mauricio. A can o tem uma levada meio folk e lembra outro dado biogr fico do autor. Ele participou de bandas de rock e, num certo momento, um vocalise lembra coisas da banda The Cure. Imagens, a segunda faixa, revela outras influ ncias marcantes em sua m sica. Mauricio se inspira, e toca ainda hoje, m sicas do Clube da Esquina, como Milton Nascimento, Beto Guedes e L Borges. Segue com Tempo de amor. Lirismo e paix o transformados em som. A quarta faixa Cold as ice. Bela can o com participa o especial de Mariane Gusm o. Incr vel como h can es que parecem mesmo feitas para a sonoridade da l ngua inglesa. Mostrando seu ecletismo, depois vem a bossa Desilus o, com uma forma o enxuta, e adequada, s de viol o, voz e percuss o. A sexta m sica Porque somos jovens. Bem Renato Russo. Frases inspiradas sobre o tema, como "A vontade de criar maior que a de aprender". Juventude na veia. Raiz a s tima, seguida de Hamor negro. Um trocadilho. Lui, a m sica seguinte, uma prov vel homenagem ao filho do autor. Singela e carregada de emo o. Segue com Terra partilhada, uma esp cie de can o de protesto. Exalta uma divis o de terras mais justa. Tema sempre oportuno por aqui. A pen ltima can o do CD Rebento e Bel prazer fecha o disco com li es de liberdade e prazer de viver. Lan amento independente. E-mail: afeira@ig.com.br. Site: www.mauricionogueira.hpg.com.br. Tel. (15) 211-3393 e231-9930. (Por S rgio Foga a)

 

Ulisses Rocha - "Estudos para viol o n 1"

A sensibilidade e a t cnica de grandes m sicos instrumentistas brasileiros ao alcance de todos. A Cole o de M sica Instrumental Brasileira, publicada pela Editora rvore da Terra, s o livros de partituras de composi es, repert rios e viv ncias did ticas de grandes artistas. O primeiro volume lan ado, da s rie Individuais, foi "Estudos para viol o n 1", de Ulisses Rocha. Tamb m chegar o ao mercado outros volumes Individuais e Colet neas, nos quais diversos m sicos apresentar o obras de repert rio, com trabalho de texturas e estilos semelhantes em cada volume. O de Ulisses Rocha s o dez estudos que o violonista criou para seu pr prio aprimoramento na t cnica do instrumento. Ele procura apresentar mais do que um simples exerc cio convencional, como ele pr prio explica na apresenta o do livro. "Esta s rie nasceu da necessidade de se estudar t cnica de uma forma mais musical que mec nica, desenvolvendo a t cnica, evitando o t dio dos exerc cios de mecanismo. Na busca da melhor mesclagem dos principais elementos, foram aparecendo aos poucos a m sica brasileira, o jazz, o cl ssico, enfim, um pouco de tudo aquilo que forma o que chamamos de M sica Instrumental Brasileira Contempor nea , o que foi delineando a peculiaridade desse conjunto de composi es. Com o passar do tempo percebi que os estudos compostos para o meu pr prio aprimoramento eram agora pe as importantes para o desenvolvimento t cnico de dezenas de jovens instrumentistas que foram me encorajando com o seu entusiasmo". Enfim, uma s rie de documentos musicais fundamentais para a identidade nacional, pr tica e aproxima o com um estudo mais agrad vel e estimulante. Lan amento Editora rvore da Terra. Tel. (11) 3887-7457 ou e-mail: livrariaterra@arvoredaterra.com.br. (Por S rgio Foga a)

 

Vange Milliet - "Tudo em Mim Anda a Mil"

Depois da chamada vanguarda paulistana que surpreendeu o Brasil no final dos anos 70 e in cio dos 80, veio quem? Vange Milliet, por exemplo. Na primeira safra despontaram nomes como Arrigo Barnab , Itamar Assump o, grupo Rumo e as cantoras Suzana Salles, N Ozzetti e V nia Bastos, que dialogavam sozinhas ou em parceria com esses compositores e grupos. J no final dos anos 80, outro grupo de cantoras e instrumentistas despontava levando a mesma bandeira e ainda imprimindo marca pr pria. Entre elas estavam Miriam Maria, Tata Fernandes e Vange Milliet. Este j o terceiro trabalho solo de Vange. "Tudo em Mim Anda a Mil" reafirma as importantes parcerias que a cantora e compositora vem agregando ao longo de sua carreira. Nomes como Chico C sar, Zeca Baleiro e Itamar Assump o s o constantes em seus trabalhos. O CD come a com Funkier than a mosquito s tweeter, de Aillene Bullock, que Nina Simone havia gravado nos anos 70. Mas a linguagem foi direto para 2002, com a "press o" do baterista alem o Marlon Klein, da banda Dissidenten. Para quem j conhece o trabalho de Vange, a interpreta o surpreendente. O caos no lugar certo. A seguir, come a o show de parcerias. O passeio suave do arranjo valoriza Tudo em mim, com letra de Paulo Leminski e Vange Milliet, e m sica s de Vange. Sens vel sedu o. A terceira faixa Morena de Angola, de Chico Buarque, que leva um certo balan o baiano irresist vel. Segue com mais uma composi o de Vange. Vou te convidar tem ainda m sica feita por Zeca Baleiro, que tamb m arranjou a can o junto com Paulo Lepetit, um dos mais famosos contrabaixos do pa s, com sua marca registrada, principalmente, nas can es de Itamar Assump o. Na m sica, ainda, grande casamento das vozes de Vange e Al Carvalho, al m do sens vel piano de Benjamim Taubkin. A quinta m sica Fala baixo, de Alzira Esp ndola e Paulo Sales. Al m de Vange e Lepetit, acompanham nessa e em outras faixas do CD os grandes m sicos Webster Santos, nos viol es, e Guilherme Kastrup, na percuss o. Com m sica e letra de Chico C sar, Orna bem traz um coro masculino "de responsa": Marcelo Pretto, finalista do Pr mio Visa - vers o interpretes, e os grandes Rubi e Carlos Zimbher. Segue com a fus o das m sicas Samba do ziriguidum, de Jair de Castro e Luiz Bittencourt, e Que grilo d , de Alceu Valen a, com um excelente acompanhamento musical dos instrumentistas j citados e a desenvoltura vocal de Vange. Qualquer um, a oitava faixa, tem bastante mal cia e consci ncia em m sica de Al Carvalho e letra de Vange Milliet. As participa es especiais continuam. Desta vez com Jo o Parahyba, do Trio Mocot , fazendo marca es em alguns instrumentos de percuss o, incluindo uma caixa de f sforo em Seja breve, de Noel Rosa. A d cima can o Sem pose, s de Vange, com participa o do virtuoso guitarrista Edgard Scandurra, do grupo Ira! Segue com Cavalo ferro, de Fagner e Ricardo Bezerra, com um belo arranjo de cordas ac sticas. O CD fecha com Maningue Nice, de Vange Milliet e Paulo Lepetit, que contemplam um certo experimentalismo misturado a tradi o, no caso, com um sample de cantoras de Mo ambique. isso: o saud vel experimentalismo de Vange Milliet e sua trupe. Lan amento Elo Music - www.elomusic.com.br  - Distribui o Sony Music - www.sonymusic.com.br. (Por S rgio Foga a)