Onde a MPB acontece


: Receba nossa Newsletter : Anuncie Aqui :

P gina Inicial
Capa
Entrevistas
Destaques
Perfil
Selo de Artistas
Edi es Anteriores
Outros Sites
Fale Conosco
Expediente

Entrevistas > Vander Lee

No balan o de Vander Lee

Por Evanize Sydow

Burac o, Departamento, Nin de Rato, Pito Aceso e Leite. Todos nomes de pequenos lugarejos que dividiam o bairro onde o mineiro Vander Lee nasceu. Ele era mesmo do Leite. "Esse nome se devia ao fato de ter havido na minha rua dois irm os que possu am algumas vaquinhas que alimentavam boa parte das fam lias do bairro, que at ent o tinha poucos habitantes. S algum tempo depois chegou a primeira padaria, com a novidade do leite de saquinho tipo C", conta ele. 

Garoto, o hoje consagrado cantor e compositor Vander Lee ouvia seu pai tocar viol o em casa ou no boteco. Da para o menino de 15 anos se interessar pela m sica foi um pulo. Logo surgiram as primeiras composi es e a primeira banda com os amigos de inf ncia. 

Vander Lee ouvia Clube da Esquina, m sicos do Vale do Jequitinhonha, Bezerra da Silva, Tim Maia, Alcione e      Cassiano. Suas can es t m um pouco de tudo isso, mas o seu estilo pr prio alcan ou int rpretes singulares como Gal Costa, Rita Ribeiro, Emilinha Borba e Alcione, e a admira o de renomados artistas como Luiz Melodia e Elza Soares. Tem em sua bagagem quatro discos - Vanderly, No balan o do Balaio, Vander Lee Ao Vivo e Naquele Verbo Agora - e espet culos com casas lotadas. Al m disso, acaba de gravar seu primeiro DVD, com a participa o de Zeca Baleiro.

Acompanhe abaixo a entrevista que a m sico concedeu a P gina da M sica, respondendo, por e-mail, as perguntas de nossos leitores, dentro da se o "Outras Palavras".

Nilva Ribeiro (Rio de Janeiro, RJ) - Como voc define esse momento da sua carreira depois de alguns CDs j gravados e nome reconhecido como um dos melhores int rpretes e compositor de MPB?
 
Vander Lee - Acho super bacana esse momento. mas acho tambem que h muito por fazer e aprender ainda. Hoje conto com a aten o e o carinho de todos, mas preciso confirmar isso com a continuidade na carreira. Tem um ditado que diz: atr s de morro tem morro...
 
Rita Ven ncio (S o Paulo, SP) - Acompanho h alguns anos a trajet ria de m sicos mineiros. Minas Gerais um celeiro de grandes talentos. Voc , que um deles, considera que a sua m sica se insere nessa linha musical mineira de tradi o, quer dizer, herdeira do Clube da Esquina etc?
 
VL - Acho o Clube da Esquina super importante, uma galera que mudou muita coisa na forma de conceber m sica e letra na MPB, e essa foi uma das muitas vertentes que influenciaram meu trabalho. Na verdade, sempre fui um ouvinte ass duo de r dio e por isso ouvi um pouco de tudo. Hoje sou amigo de v rios remanescentes dessa gera o, mas busco todas as refer ncias poss veis para somar  minha m sica.
 
Maria C lia R. Soares (Rio de Janeiro, RJ- Voc se transformou, pelo menos aqui no Rio, em um artista de lotar teatro, de ter f -clube feminino muito grande. Como voc , um mineiro que me parece pacato, se sente nesse contexto?
VL - Me sinto muito feliz e mais bonitinho, hehehe... N o me deixem muito sem vergonha...
 
Ricardo Freire Santos (Bananeiras, PB) - Vander Lee: a m sica brasileira continua sendo a melhor do mundo? O que que voc acha da produ o musical brasileira hoje em dia?
 
VL - Com certeza, temos a melhor m sica do mundo, mas acho muito prec rio o cuidado que se tem com os artistas e m sicos que fazem essa melhor m sica. Acho que o pa s deveria cuidar de suas divas e seus medalh es, para que n o terminem seus dias na mis ria, como muito se v ainda hoje. As carreiras de sucesso ainda duram pouco, n o ha espa o nas gravadoras para lan ar novos valores e muita gente est desperdi ada por a ... Eu tive sorte de conseguir bons padrinhos, estive no lugar certo na hora certa, mas quantos ter o a mesma sorte?
 
Val ria Santana Neves (Guarulhos, SP- O amor o seu tema principal? Como o seu processo de cria o?
VL - Na verdade, as rela es s o meu grande tema. Por elas sempre passa o amor, a saudade, o desejo, o ci me, a solid o, o dio, desd m, o tempo e at o nada. Mas meu processo ficar com viol o, papel e caneta tocando, tocando at pintar uma entrada...

 
Heraldo Lima (Bel m, PA) - O lan amento de seu primeiro DVD ser agora. O que voc est  trazendo nele?
VL - Nesse projeto, eu quis fazer um grande apanhado da minha carreira, cantando os maiores sucessos, e ainda gravei quatro m sicas in ditas, como Bangal (parceria com Zeca Baleiro), Xilique e Pensei que fosse o c u.
 
Rita Abreu (S o Paulo, SP) - O que voc acha da cr tica musical? Ela tem sido justa com o seu trabalho?
  
VL - Alguns gostam , outros n o. Acho timo isso. Eu acho um saco aqueles artistas que s o unanimidade de cr tica. Geralmente, n o mudam, n o crescem e ficam dando aquelas entrevistas chatas com um monte de chatos em torno deles. Eu, como um cara de sub rbio, de periferia, sou um pouco cronista desse universo. justamente ali que sou mais querido, porque as pessoas sabem do que estou falando. Os cr ticos s o importantes para alguns tipos de artistas, que fazem uma m sica para agrad -los. Mas eu, apesar de respeit -los, nunca penso neles quando estou compondo ou cantando.
 
Arlene Gomes S. Santos (Curitiba, PR) - O que voc gosta de ouvir? Qual seu disco de cabeceira hoje em dia?
 
VL - Atualmente ando muito voltado para as minhas coisas, n o est dando para ouvir muita coisa, alem de r dio, claro.
 
S rgio Correia Peixoto (Belo Horizonte, MG) - Como voc se sente sendo gravado por tantas mulheres maravilhosas, como Gal Costa e Rita Ribeiro? Voc tem o sonho de ser gravado por algum int rprete em especial?
 
VL - Eu  acho super importante o papel das int rpretes na MPB, pois elas d o um novo alento, um novo olhar s coisas que produzimos. como se, naquele momento, a m sica fosse delas. Quero muito que muita gente grave minhas can es, n o sonho com ningu m em especial, apenas tor o para que minhas m sicas marquem o repert rio de quem cant -las.
 
Teresa Maria Lins da Silva (Rio de Janeiro, RJ) - Como voc se tornou m sico? Como foi o in cio da sua carreira?
 
VL - Meu pai ficava tocando viol o em casa ou no boteco da esquina, e aquilo me acompanhou durante minha inf ncia inteira, por isso quando comecei a me interessar (por volta dos 14, 15 anos) foi muito natural, instant neo. E logo eu j estava compondo minhas primeiras m sicas. Formei uma banda com meus amigos de inf ncia e da pra frente meu release no site diz tudo (veja www.vanderlee.com.br).
 
Andr Lu s S. Vieira (Niter i, RJ) - Quais s o os seus projetos para o futuro?
 
VL - Lan ar esse DVD onde for poss vel, compor muito, fazer muitos shows e discos, criar meus filhos e conhecer lugares e pessoas bacanas sempre.










Copyright P gina da M sica - Todos os direitos reservados.
Todas as fotos utilizadas neste site s o de divulga o dos pr prios artistas.